Aquivos por Autor: APPV scv

Dia Internacional da Mulher

No dia 8 de março de 2015, no âmbito do Dia Internacional da Mulher realizou-se uma aula de zumba, no auditório da APPV. A actividade contou com cerca de 80 pessoas da comunidade. Ritmo e diversão foram o mote desta iniciativa!!!

 

 

IMG_1310

Carnaval 2015

A Orquestra Sempr’a Bombar marcou presença na frente do desfile de Carnaval de Mosteirô pelo segundo ano consecutivo. Esta iniciativa decorreu no perímetro fechado da zona industrial de Mosteirô, no dia 15 de fevereiro de 2015, o chamado dia Domingo Gordo.

Reflexão

Necessidade de Igualdade e de Mudança

 “Temos o direito de ser iguais quando a nossa diferença nos inferioriza; e temos o direito de ser diferentes quando a nossa igualdade nos descaracteriza. Daí a necessidade de uma igualdade que reconheça as diferenças e de uma diferença que não produza, alimente ou reproduza as desigualdades.” Boaventura de Sousa Santos

 A metáfora “especialistas de mãos vazias” ainda nos qualifica, ainda vamos para o terreno sem uma solução concreta. Mas partimos para o terreno com a convicção de que haverá a participação de todos no processo de construção de um projeto de vida.

Com a evolução dos tempos e com o surgimento de novas perspetivas no âmbito da gestão do social, tornaram-se emergentes respostas mais adequadas e adaptáveis às situações de exclusão. Respostas que vão mais além do assistencialismo e da caridade, dando lugar à solidariedade contemporânea e cidadania activa. A solidariedade contemporânea e a cidadania activa podem traçar um percurso, onde se renove uma nova visão democrática, onde se garanta os direitos e deveres sociais e se apele à responsabilidade social de todos os actores da sociedade.

O trabalho de terreno, de uma equipa multidisciplinar, deverá contemplar criatividade, inovação, capacidade de compromisso, espírito crítico, ausência de juízos de valor, respeito pela diferença e mediação. Acreditar sempre de que embora não se reabilite na sua totalidade um projeto de vida, é possível gerar comportamentos que levem a uma mudança significativa. Antes de tudo temos de ter sempre presente de que trabalhamos com pessoas e para as pessoas.

Não nos podemos esquecer que diariamente vamos depararmo-nos com o sofrimento humano, com a desigualdade, com a injustiça, mas que tudo faremos para que não se “reproduzam desigualdades” e que as combateremos sempre!

Vivemos “paredes meias” com problemáticas que necessitam urgentemente de respostas, o trabalho de terrenos da APPV vai de encontro às necessidades, tendo como pressupostos a Participação, a Integração, a Informação e a Igualdade de Oportunidades.

Margarida Alfama

Fotografia3

 

Testemunho

“Considero-me sortuda por ter tido, e ainda ter a oportunidade de fazer parte deste “grupo”….”

Entrei na Associação Pelo Prazer de Viver em 2010, quando tinha apenas nove anos. Na altura ainda tinha uma enorme parte do meu desenvolvimento, tanto físico como psicológico pela frente (assim como ainda tenho hoje, para dizer a verdade), e sei com grandes certezas que o facto de os meus pais me terem inscrito no ATL me ajudou a crescer. Era bastante estranho no início, tenho de admitir – ver pessoas muito mais velhas do que eu, já a falar de cursos e profissões que queriam seguir, fazia-me sentir intimidada -, mas ao fim de um tempo, graças a todas as funcionárias e às pessoas que lá trabalham no geral não tardei a considera-los a todos como uma segunda família.

 A minha entrada no grupo de percussão Sempr’a Bombar é talvez das coisas que ainda hoje, fazendo parte do grupo, considero extremamente importantes. A oportunidade de explorar uma outra parte de mim, (neste caso, ligada à música) que nem eu sabia que tinha é algo que considero excecional, assim como a oportunidade de conviver ainda mais com miúdos da minha idade e um pouco mais velhos também. Acabo então por chegar à conclusão de que, entre outras coisas, o objetivo de Associação sempre foi esse.

Ajudar-nos a crescer como pessoas, obrigando-nos a explorar o “desconhecido” e a ouvir e ver diferentes maneiras de pensar, sendo essa a única maneira de nos expandirem os nossos horizontes e de nos tornarem seres humanos capazes e úteis para a sociedade. Eu, pelo menos, vejo-me como sendo uma rapariga inteligente e de mentalidade aberta, e sei que não seria assim acaso não tivesse andado durante alguns anos na APPV. Vejo diversos colegas e colegas minhas sem objetivos na vida, que se limitam ao que podem tocar e não tentam ir mais longe do que isso – e fico feliz por na Associação sempre nos terem incentivado a ir mais longe e a fazer mais do que aquilo que julgamos que somos capazes.

A diversas atividades que são feitas têm sempre uma finalidade pedagógica e/ou social, tais como ensinar as crianças sobre matemática e português, e sobre como viver num grupo como a sociedade. Considero-me sortuda por ter tido, e ainda ter a oportunidade de fazer parte deste “grupo”, e era sem dúvida algo que aconselho a toda a gente.

Não sei como agradecer à APPV por toda a ajuda e pelo enorme papel que tiveram em todo o meu crescimento, e sei que, por muitos anos que passem, nunca me irei esquecer deles e de todos, ou pelo menos de muitos bons momentos que ali passei.

Inês Santos, 14 anos

SAM_02903

Concurso Reinventar o Traje das Fogaceiras

Mais uma vez,  este ano participamos no concurso Reinventar o Traje das Fogaceiras com 2 vestidos.  As nossas criações obedecem à lógica de reutilização de materiais.
Na elaboração dos vestidos estiveram envolvidos o nosso grupo sénior e as crianças do CATL.
São 2 trabalhos muito distintos e de materiais variados. Estas e outras criações poderão ser vistas na exposição que se realiza no largo da Câmara Municipal de St. M. Feira.